Maria, rosto materno do Pai

Por Dom Nelson Westrupp, scj
Administrador Apostólico de Lages

Ao longo do mês de maio, queremos contemplar em Maria “o rosto materno do Pai”, o rosto deste Pai que também é Mãe, ou como dizia o Papa João Paulo I: “Deus é mais Mãe do que Pai”, pois o conceito de mãe exprime melhor a sua ternura e o seu carinho para com a humanidade.
Na Sagrada Escritura, Deus é comparado com a mãe que consola (Is 66, 13), com a mãe incapaz de esquecer o filho de suas entranhas (Is 49, 15; Sl 25, 6; 116, 5). E Jesus se compara à mãe que quer reunir os filhos sob sua proteção (Lc 13, 34).
No fim dos tempos, Deus terá o carinhoso gesto da mais terna e bondosa das mães, enxugando as lágrimas dos nossos olhos, cansados de tanto chorar (Ap 21, 4).
Assim sendo, Deus pode ser experimentado e invocado como meu  Pai e minha Mãe, como nosso Pai e nossa Mãe…
E, certamente, nenhum outro ser humano pode refletir e retratar melhor esse rosto maternal de Deus do que Maria, a mais pura e a mais santa de todas as mulheres.
Concebida sem pecado original, Maria Imaculada e cooperadora na obra da redenção, foi sempre para a humanidade, a revelação da face bondosa e misericordiosa de Deus.
Ao dizer sim ao anjo, ao dizer “faça-se em mim segundo a tua palavra”, Maria Santíssima torna-se  o instrumento visível de Deus que é Amor. Empresta-lhe de sua carne e de seu sangue, para que o Filho de Deus se torne um de nós.
Com ela, o rosto amoroso e carinhoso de Deus chega a cada um de nós, trazendo luz e salvação.
Maria é a pessoa que mais experimentou a misericórdia, a bondade e o amor do Pai e, ao  mesmo tempo, e de modo admirável, tornou possível com o sacrifício do coração a própria participação na revelação dos atributos divinos…
De fato, o Filho de Deus se fez homem para ser imagem encarnada e visível do Pai e dos seus atributos, mormente do seu amor, bondade, ternura, misericórdia…, atributos tipicamente maternos.
Jesus retrata em Si mesmo a face misericordiosa e amorosa do Pai. “Quem me vê, vê o Pai” (Jo 14, 9). Quem vê Jesus, vê o Pai. Quem vê Jesus, vê Maria. Quem vê Maria, vê Jesus que vê o pai! Depois de Jesus, ninguém melhor do que a Sua Mãe retrata a imagem visível, o rosto de Deus…
Contemplando o rosto amoroso e misericordioso do Pai, revelado por Cristo, por ele que é imagem experimentável do Pai, facilmente chegamos a descobrir em Maria, Mãe de Jesus,  o rosto materno do Pai que está no céu…
Maria, no dizer de São Bernardo, é o “caminho real”  pelo qual Deus veio até nós e pelo qual nós podemos agora ir até Ele. Assim, o título “Mãe de Deus”  não só nos fala de Deus, mas nos revela também o verdadeiro rosto de Deus Pai, Filho e Espírito Santo.
Deus é o primeiro devoto de Maria.  Pois Ela é uma maravilha, não por aquilo que Ela fez ou conseguiu, mas pelo que Deus realizou nela: Seu retrato mais perfeito.
Se realmente acreditamos que Cristo está dentro de nós e no meio de nós, então, a exemplo de Maria, seremos os portadores e testemunhas vivas de Jesus, seremos o “rosto filial” do Pai, porque irmãos e irmãs Daquele que é o rosto autêntico do Pai e Filho querido de Maria, nossa Mãe.

Nossa Senhora, Mãe das Vocações

Por Álvaro Emanoel da Silva
4ª ano de Teologia

Maio é um mês dedicado à elas: as mães, as noivas, a Senhora. Um tempo especial para olharmos com carinho para a ternura e a bondade no coração de cada mulher. Ainda mais neste ano mariano em que comemoramos os 300 anos da aparição da imagem Nossa Senhora nas águas do rio Paraíba. Maria vem a nós como mãe e padroeira do Brasil. Guarda e defende o povo brasileiro. Ama e caminha com os vocacionados e vocacionadas. Cuida e defende a vida.
Maria, mãe de Jesus e nossa mãe é Senhora pelo seu amor. Aquela que foi escolhida, não por suas riquezas, mas por causa do seu coração, quer abençoar e proteger todas as pessoas que recorrem a ela. Maria participa da vida de Jesus em seu mistério pascal. Através de Jesus, o Sim de Maria se perpetua na história. Do mesmo modo, o sim de cada batizado, renova e atualiza a vontade de Deus no meio do povo. É o sim que muitos deram ao chamado de Deus. Hoje são padres, religiosos e religiosas, lideranças leigas, missionários e missionárias. Maria é modelo para todas as vocações, pois ensina a perseverar e caminhar com Jesus até mesmo no momento da cruz. Ela se alegra com o Cristo ressuscitado e acompanha a Igreja desde Pentecostes até os dias de hoje.
Na garra e na força de Maria encontramos a vida de muitas de nossas mães. O dia das mães é todo dia! Isso por que todo dia nossa mãe está sempre pronta para nos ajudar, consolar, defender e orientar. Cuida com carinho até mesmo daquele filho que errou. Chora com a dor dos filhos e se orgulha quando faz algo de bom. Mãe é mãe! Seja do advogado ou do presidiário, do pedreiro ou do agricultor, do empresário ou do empregado… É mãe!!! Ser mãe também é uma vocação, pois gera e cuida da vida. Protege a ama seu filho. Mãe de nascimento, mãe Maria ou Mãe Igreja. Todas elas expressam a ternura e o amor de Deus para com o ser humano. É a mãe de nascimento que nos gera para a vida desse mundo, nos coloca na história. A mãe Maria gera para o mundo seu filho Jesus dando assim mais vida para a humanidade decaida no pecado e redimida por sua morte e ressurreição. E a mãe Igreja nos gera em Cristo pelo batismo para sermos testemunhas de uma vida nova para o mundo, levando a todos a mensagem de Cristo. Mãe, Mulher, força. Palavras importantes sem as quais a humanidade se perderia na falta de ternura e afeto, na falta de coragem e determinação.
É nesse mês de maio que muitos casais escolhem para se unirem nos laços do sagrado matrimônio. Cheios de pompas e grandezas são os casamentos de hoje. Cheios de amor de mãe, carinho de pai, e benção de Nossa Senhora devem ser as famílias de amanhã. O chamado mês das noivas também nos chama atenção para a vocação à vida familiar. É na família que a fé se fortalece. Nela aprendemos a amar e ser alguém. A família é tão importante que Deus quis vir a este mundo no seio de uma família. É no ambiente de nossa casa que formamos a Igreja doméstica, sinal e presença do ressuscitado na vida de tantas pessoas. Família que reza unida, permanece unida. Essa máxima deve orientar toda a nossa vocação cristã. De santas famílias brotam santos sacerdotes, boas lideranças para as comunidades, enfim, santas vocações. Pessoas dispostas a anunciar o Evangelho a todas as nações. Peçamos a Maria, companheira de caminhada, que caminhe e guarde com seu manto, todas as famílias de nossa diocese e do nosso Brasil.
Por fim, peçamos a Maria, que envie cada vez mais homens e mulheres dispostos a trabalhar pelo Reino de Deus. Que Nossa SenhoraAparecida. Tão amada e venerada pelo povo serrano, seja mãe e modelo para todos nós. Abençoe cada família. Abençoe os casais que neste mês irão se unir em matrimônio. Abençoe e dê força às mães, principalmente aquelas que sofrem com as dores de seus filhos e filhas. Caminhe e guarde todos os vocacionados e vocacionadas de nossa diocese. Amém.

 

PJ no horizonte da comunidade faz história

Em preparação a Missão Jovem Diocesana a Coordenação Diocesana da Pastoral da Juventude esta propondo um caminho Formativo para os grupos de Jovens para acontecer em suas comunidades serão cinco encontros, já estamos disponibilizando o primeiro encontro.
O grupo que quiser poderá mandar as fotos juntamente com um relato do encontro para o E-mail: pjdiolages@gmail.com ou para o WhatsApp (49) 9-9107-8031, para colocarmos em nossas redes socais.

1ª Reunião
Desamarrem as Sandálias

Objetivo da reunião: refletir sobre a história da comunidade, do grupo. Quais caminhos foram traçados até aqui? Quais caminhos terão pela frente?
Ambiente e materiais: organizar o espaço com pegadas orientadas para o centro e preparar, se possível, caneta para escrever, Bíblia, vela, bandeira, camiseta do grupo, calçado.
Acolhida: O/A coordenador/a acolhe os/as jovens que chegam de maneira alegre e fraterna e, em seguida, apresenta o objetivo da reunião. O grupo prepara sua oração como de costume. Utilizando a música ‘Desamarrem as Sandálias’ (em anexo).
Olhando para a realidade: A história de cada pessoa é fundamental para a construção do grupo de jovens. Conhecer cada jovem e reconhecer sua história é o primeiro passo para o nosso crescimento como seguidores/as de Jesus. As pegadas da Pastoral da Juventude da Diocese de Lages vêm em direção à comunidade, nossos grupos de base. É aqui a Terra Santa, o grupo de jovens é o lugar onde se partilha o mais sagrado da vida à juventude, é aqui que a PJ acontece.

Técnica/Exercício:

1º Passo – O/A coordenador/a organiza os membros do grupo, motivando uma postura de escuta enquanto toca a música ‘Desamarrem as Sandálias’;

2º Passo
– O/A coordenador/a convida os jovens a desamarrarem seus calçados e a observarem os pés descalços. Após breve reflexão, traz os seguintes questionamentos: Como estão seus pés? Estão cansados? Por que você desistiu? Todos os pés são iguais? Estes pés caminham muito ou pouco? Caminham sempre com um determinado objetivo?;

3º Passo
– Sugestões de mantras:
a) Quão formosos são os pés / De quem deixa sua terra e seu lar / Pra levar entre as nações / O Evangelho do amor e da paz;
b) Como são belos os pés do mensageiro / Que anuncia a paz / Como são belos os pés do mensageiro / Que anuncia o Senhor. Ele vive, ele reina / Ele é Deus e Senhor. O meu senhor chegou com toda a glória / Vivo ele está, ele está bem junto a nós / Seu corpo santo a nos tocar, e vivo eu sei / Ele está;
c) Onde pisam os pés / A cabeça pensa / E o coração ama/ Ama o coração/ Pensa a cabeça/ E os nossos pês pisam neste chão.

4º Passo – A coordenação indica organiza uma postura de escuta, prestando atenção a quem está falando e evitando interrupções. Deve-se combinar com antecedência o tempo de fala de cada um e uma palavra de encerramento para todos/as, como, por exemplo, ‘esta é a minha caminhada’;

5º Passo – O grupo escolhe uma pegada, utilizando uma caneta para escrever um compromisso concreto que irão assumir com a caminhada do grupo de jovens;

6º Passo – Partilhar o compromisso de forma espontânea.

Iluminando com a Palavra de Deus
Aclamação:
escolher um canto que o grupo goste;
Leitura Bíblica: Atos 7: 32-33;
Partilha: O que torna esse chão santo? Quais as belezas do nosso grupo e da nossa comunidade?
Oração Final: Neste momento, os/as jovens são convidados/as a se abraçarem, formando uma roda. Depois, os/as jovens, espontaneamente, fazem preces de pedido e/ou de agradecimento, a partir de suas histórias de vida. Após cada prece, o grupo responde : ‘Senhor, caminha conosco em nossa Terra Santa’;
Encerramento: Fazer uma ciranda conhecida pelo grupo.

Música – Desamarrem as Sandálias

Ao recebermos, Senhor / Tua presença sagrada / Pra confirmar teu amor / Faz de nós sua morada. Surge um sincero louvor / Brota a semente plantada / Faz-nos seguir teu caminho / Sempre trilhar tua estrada.

Desamarrem as sandálias e descansem / Este chão é terra santa, irmãos meus / Venham, orem, comam, cantem / Venham todos / E renovem a esperança no senhor.

O filho de deus com o Pai / E o espírito santo / Nesta trindade um só ser / Que pede a nós sermos santos. Dai-nos, Jesus, teu poder / De se doar sem medida / Deixa que compreendamos / Que este é o sentido da vida.

Desamarrem as sandálias e descansem / Este chão é terra santa, irmãos meus / Venham, orem, comam, cantem / Venham todos / E renovem a esperança no senhor.

Ao virmos te receber, nós te pedimos, ó Cristo / Faz vibrar nosso ser, indo ao encontro ao pai santo / Sem descuidar dos irmãos / Mil faces da tua face, faze que o coração sinta / A força da caridade.

Desamarrem as sandálias e descansem / Este chão é terra santa, irmãos meus / Venham, orem, comam, cantem / Venham todos / E renovem a esperança no senhor.