Diretrizes

Diretrizes da Ação Evangelizadora da Diocese de Lages – 2009-2009

OBJETIVO DA AÇÃO EVANGELIZADORA

Nós somos o Povo Serrano.
Queremos nos evangelizar,
animados pela Palavra e pela Eucaristia,
em Grupos de Família-CEBs,
participando na construção de uma Igreja e de
uma Sociedade sem exclusões,
justas, fraternas e solidárias,
sinais do Reino Definitivo.

Nossa ação pastoral e evangelizadora se inspira na pedagogia e metodologia de Jesus. Seu primeiro gesto para anunciar o Reino foi a encarnação e a inculturação junto à realidade e cultura na comunidade da Galiléia. A pessoa do agente de pastoral na Diocese de Lages, é alguém inserido na história, cultura e realidade do povo serrano catarinense.
A prática evangelizadora de Jesus era de profunda comunhão com o Pai, de serviço aos irmãos e irmãs, de opção pelos excluídos e excluídas de seu tempo.

O Mestre de Nazaré partilhou o poder-serviço com seus discípulos e discípulas. Confiou-lhes e pediu corresponsabilidade na missão. Daí brota o forte apelo do Espírito para vivermos a nossa vocação e ação de forma colegiada. Nesta metodologia devemos valorizar a comunhão e a participação nos conselhos e assembléias pastorais em todos os níveis da Igreja. São espaços de tomadas de decisões, de elaboração de objetivos, metas, programas e projetos pastorais. Em vista de uma ação pastoral lúcida e libertadora, é indispensável o planejamento pastoral, assumido tradicionalmente pelo método VER (a realidade), JULGAR (com a Palavra de Deus, a Doutrina Social da Igreja e o auxílio das Ciências Sociais), AGIR, CELEBRAR e AVALIAR a ação evangelizadora (DP 1307).

A ação de Jesus teve continuidade no testemunho das primeiras comunidades, formadas por homens e mulheres, na mesma vocação do discipulado, “…eram perseverantes em ouvir o ensinamento dos apóstolos, na comunhão fraterna, no partir do pão e nas orações…” (At. 1,11-14; 9,1-5). “Diariamente, todos freqüentavam o templo e nas casas partiam o pão, tomando o alimento com alegria e simplicidade de coração” (At 2, 42-46). Desta primeira experiência emerge a nossa estratégia pastoral configurada nos Grupos de Família. Eles revelam a identidade e o rosto da Igreja das Comunidades Eclesiais de Base. Nesta eclesiologia a paróquia é entendida como uma rede de comunidades a caminho das Ceb´s, comunidade de comunidades. Testemunha nosso modo de ser Igreja: Participativa, Ministerial, Missionária, Ecumênica, Celebrativa e Sócio-Transformadora.

Top